Jesus nasceu para dar sentido à vida

São José de Anchieta e a celebração do Nascimento de Jesus
20 de dezembro de 2019
Anchieta no coração da Amazônia
31 de dezembro de 2019

Assim como um texto não é um amontoado de frases. A narrativa da nossa vida também precisa de um Verbo: o Verbo que nos criou.

 

Hoje, dia 25 de dezembro, estamos há exatos 9 meses do dia 25 de março, dia que celebramos a Anunciação de Nossa Senhora, portanto o dia que o Verbo divino se fez carne. Quando Jesus entra no seio da Virgem Maria, Ele entra também na nossa vida, entra na humanidade. “E quando Ele entra no nosso meio, nada mais é profano, tudo é sagrado”.

O teólogo jesuíta Karl Rahner, em suas reflexões espirituais, levantou a seguinte pergunta: E se Adão e Eva não tivessem pecado, Jesus teria vindo? O caminho para a resposta dessa pergunta passa pela nossa condição humana e pelo desejo que trazemos no coração de conhecer aquele que é, que foi e que sempre será o autor da vida e o princípio de todas as coisas.

Não foi a força do pecado que trouxe Jesus ao mundo. Já estava nos planos de Deus que Jesus um dia viria para mostrar o imenso amor do Pai.

“Completai em mim a obra começada” (sl 137), reza o salmista, e Deus teve compaixão de nós. Jesus assume nossa humanidade, se faz um conosco, porém, ao chegar, estávamos em pecado. Com isso, a maneira de mostrar o amor do Pai foi entregando Sua vida, para que tivéssemos, então, vida em abundância. A verdadeira vida.

Assim, com ousadia, hoje se pode afirmar que:

  • Temos um ser humano na Santíssima Trindade.
  • A vinda do Filho de Deus está marcada pelo amor, não pelo pecado.

Maria é o grande sinal de que os tempos de Deus começaram. Lá, naquele sim que apenas ela viu e que hoje nasceu como Luz do mundo, encontramos  a mesma força criativa da Palavra de Deus que disse “faça-se e a luz e a luz se fez” (Gn 1,3).

 

O Verbo dá sentido ao que se quer comunicar

Se Deus quer nos comunicar seu amor na criação, o sentido da criação é conhecer Deus revelado no rosto do seu filho. Pois, “Jesus é aquele que dá sentido a tudo aquilo que Deus criou.”

Quando falta o verbo, falta o sentido. Quando o verbo está ausente, fica vago. Da mesma forma que, quando se muda o verbo, também se altera o sentido. Ora, se Deus quer nos comunicar seu amor, será em Jesus, o Verbo de Deus, que encontraremos o sentido da nossa vida. Quem conhece qual o sentido que se deseja comunicar se não o autor?  Por isso que “Jesus veio dar sentido, porque tudo foi criado por ele.”

Jesus é o Verbo da nossa vida. Na nossa história – da qual somos co-autores com o próprio Deus criador – reconhecer a força criativa de Deus manifestada em nós tornará possível enxergar a luz que resplandeceu em meio à escuridão e compreender que hoje, Natal do Senhor,

Jesus veio para encher nossa vida de sentido.

 

Transmitir o sentido no nosso tempo

No cenário do presépio do Menino Jesus, do nosso tempo, há muita informação, múltiplas palavras, imagens diversas, filtros em abundância, barulho e dispersão. A hospedaria do nosso olhar está ocupada. Parece-nos não ter lugar para o sentido.

Existe uma crise de sentido? Se sim, é porque nos falta o Verbo.

Há quem se recorde que na gramática o verbo é aquela palavra que indica ação e movimento. Jesus é, ao mesmo tempo, a Palavra e o Verbo de Deus. Santo Agostinho escreveu “João era a voz, mas o Senhor, no princípio, era a Palavra [cf. João 1,1]. João era a voz passageira; Cristo, a Palavra eterna desde o princípio.”

Em Jesus Cristo, Verbo de Deus, estão o movimento, a ação e a força criadora que darão sentido para a narrativa da nossa existência. A direção quem nos dará será o Verbo.

Experimente dizer uma mesma frase mudando o verbo: Entrei em casa. Saí de casa. Fiquei em casa. O sentido é o mesmo? Não. Pois, o coração de toda frase é o verbo. Assim também acontece conosco: o nosso coração está em Deus.

 

Sim, eu quero! Mas, como farei?

Nossa vida fará sentido quando a narrativa da nossa história for contada a partir do Verbo que nos criou, no contexto da compaixão e do amor ao próximo, na unidade da Igreja. “Nisto conhecerão todos que sois os meus discípulos: se vos amardes uns aos outros” (Jo 13,35).

Agora, neste Natal e nas festas de fim de ano:

  • Seja presença na vida das pessoas: Ligue, ao invés de mandar apenas uma mensagem. Escute a voz.
  • Leve a sua presença: prefira fazer uma visita, olhe nos olhos ao conversar.
  • Seja sensível ao sofrimento do outro: ajude materialmente e não despreze a dor e o sofrimento da outra pessoa.
  • Busque a beleza: observe e encontre o belo nas situações cotidianas, abaixe-se para falar com uma criança, escute um idoso.

Jesus veio nos ensinar a sermos mais humanos e assim mais divinos. Ele é o Emanuel, o Deus conosco.

Os santos viveram assim, revelaram Deus com a própria vida – como Santa Dulce do Pobres, Dom Luciano, Santa Teresa de Calcutá e São José de Anchieta – foram sensíveis ao sofrimento das pessoas.

 

Reconhecer Deus

Hoje, Deus tocou na nossa vida com um Menino. Essa é a alegria no nosso coração! Deus presente no nosso meio.

 

Conhecer a Deus passa pelo reconhecimento de como é o Seu amor por nós: Deus “ama-te… e basta!” (Papa Francisco).

Deus uno e trino. Na Santíssima Trindade, três pessoas, um só Deus. Ali está o Verbo. Se todos são Deus, como reconhecerei o Verbo de Deus?

O Verbo de Deus é aquele cuja ação e movimento revelou o sentido da criação ao nos comunicar que Deus é Amor. O Verbo de Deus “é aquele que tem as marcas dos pregos nas mãos”.


Este texto foi baseado na homilia do Padre Nilson Marostica, reitor do Santuário Nacional de São José de Anchieta, na Solenidade do Natal do Senhor do ano de 2019.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisando de ajuda?