ANCHIETA, POETA DA VIRGEM MARIA: O TÍTULO ESCRITO NAS AREIAS DA PRAIA

“ANCHIETA PASSAVA NOITES EM ORAÇÃO AQUI DENTRO DESTA IGREJA EM QUE NÓS ESTAMOS”
13 de junho de 2019
APÓSTOLO DO BRASIL: O PRIMEIRO TÍTULO DE ANCHIETA
15 de junho de 2019

ANCHIETA, POETA DA VIRGEM MARIA: O TÍTULO ESCRITO NAS AREIAS DA PRAIA

Devoção mariana de Anchieta marca o 8º dia da novena em preparação para a Missa solene que acontecerá no próximo sábado, dia 15. E recorda uma das principais iconografias de São José de Anchieta.

“A novena de hoje tem esse cunho da espiritualidade mariana de Anchieta”, recordou o reitor do Santuário, Padre Nilson Marostica.

Aclamar Anchieta como Poeta da Virgem Maria significa tanto reconhecer as marcas que a Santíssima Virgem deixou em seu coração, como também os traços maternos que o Apóstolo transmitiu a esta nação.

Uma das principais iconografias de Anchieta retrata a escritura do Poema da Virgem Maria.

O Poema da Virgem Maria, composto por Anchieta, foi escrito na areia da praia durante o período que permaneceu refém dos índios em Iperoig – hoje cidade de Ubatuba, durante uma negociação de paz. Com mais de 6 mil estrofes é, ainda hoje, o maior poema mariano já escrito.

As marcas na areia da praia eram sinal da sua consagração à Imaculada Mãe de Deus e da sua confiança filial na proteção materna da Virgem Maria. Pois, as fortes ameaças e tentações sofridas no período de cativeiro fizeram-o se entregar ainda mais à devoção mariana.

“Ainda como noviço, havia feito um voto de pureza: dedicar seu amor somente à Mãe de Deus.”

Espiritualidade mariana presente também na dedicação das igrejas e nas peças teatrais que produziu. Padre Nilson conclui a oração e reflexão da novena parafraseando uma peça teatral de Anchieta: “Quem sabe com as palavras da Virgem o nosso coração se converta? E Nossa Senhora nos venha visitar esta noite para dizer assim: sigam meu Filho.”

HOMILIA – DIA DE SANTO ANTÔNIO

Após a novena, Padre Ermindo da Paróquia São José, de Guarapari, presidiu a santa Missa no dia que a Igreja faz memória litúrgica de Santo Antônio.

Recordou que “Santo Antônio, como franciscano, viveu profundamente sua consagração a Deus” e que “São José de Anchieta, jesuíta, foi um grande pregador da palavra de Deus”. Assim, cada um com seu carisma, seu modo de viver a palavra de Deus, chegou à santidade.

“Nós também temos, cada um, a sua missão. Mas todos nós somos chamados a nos aproximar da palavra de Deus e romper o véu da ignorância que nos afasta da Luz que é Jesus.”

Padre Ermindo relembrou a exigência do trabalho pastoral e invocou a graça de Deus para “que o amor faça morada em nós. Assim a nossa oferta será agradável a Deus”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *